Revista D&A – Decoração e Arquitetura – Revista Digital

Novidades

Curta nossa fanpage
Projeto de Cristiane Schiavoni | Foto: Raul Fonseca

LADRILHOS HIDRÁULICOS E COBOGÓS: OS QUERIDINHOS DA DECORAÇÃO

Assim como na moda, em que peças antigas voltam a ser o “must have” da estação, na decoração alguns elementos históricos, que fizeram parte do imaginário de gerações passadas, voltam como tendência em casas e apartamentos. Os cobogós e os ladrilhos hidráulicos vêm roubando a cena. Quem conta um pouco mais sobre usar esses elementos é a arquiteta Cristiane Schiavoni, do escritório Cristiane Schiavoni Arquitetura e Interiores.

 

 

Cobogós

Resumidamente, o cobogó é um elemento vazado que se transforma em divisória de ambientes, sem impedir a passagem de luz e ventilação. “Ele nasceu no Nordeste, em Recife, na década de 1920. Por causa do calor, criaram esse material vazado para que houvesse ventilação natural nas casas. O nome cobogó nasceu das iniciais dos sobrenomes dos engenheiros que conceberam esse produto, Amadeu Oliveira Coimbra, Ernest August Boeckmann e Antonio de Góis”, explica Cristiane.

Versáteis, esses elementos se encaixam em diferentes estilos de ambientes e seu uso vai depender mais do material que é confeccionado. “As peças foram largamente usadas na arquitetura modernista, e por isso, vários modelos têm um desenho de inspiração retrô, que remete às décadas de 1940 e 1950, quando atingiram o auge. Mas existem desenhos diversos, como os geométricos com ares mais contemporâneos”, explica a arquiteta, que recomenda alguns cuidados. “Caso o produto não venha impermeabilizado da fábrica, o ideal é impermeabilizá-lo após a instalação. A limpeza é simples, não exige nada especial”.

 

Ladrilhos hidráulicos

Esses revestimentos são produzidos à base de cimento de forma artesanal e, recebem esse nome, pois não contam com o processo de queima em sua produção. Passam pela submersão em água para a cura do concreto por oito horas – daí que vem o nome. “O material surgiu na metade do século XIX e era usado como alternativa às pedras, como o mármore”, explica Cristiane.

Apesar de ter feito sucesso no passado, esse material recuperou novamente o seu espaço na decoração, apresentando estampas diferentes e detalhadas com acabamentos diferenciados. “As peças podem compor pisos e paredes de áreas secas e molhadas”, finaliza a arquiteta.

 

Sobre a arquiteta Cristiane Schiavoni
Formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAU-USP), Cristiane Schiavoni atua na área de arquitetura, decoração e reforma desde 1996 e hoje, o escritório que leva seu nome, tem mais de 20 anos de histórica, reunindo centenas de projetos dentro e fora do Estado do São Paulo. Em suas criações residenciais e comerciais, publicadas em importantes veículos brasileiros, elementos-surpresa e toques de cor se misturam aos recursos que garantem o conforto e o aconchego dos moradores.

Acabamentos aplicados de maneira incomum e materiais versáteis também são presenças constantes nos trabalhos de Cristiane Schiavoni. O resultado se reflete na concepção de ambientes modernos, humanizados e dinâmicos, que convidam ao bem-estar e, principalmente, traduzem a essência de cada cliente.

 

Av. Imperatriz Leopoldina, 957,  sala 1914, Vila Leopoldina, São Paulo
Tel. (11) 3649.4900
www.cristianeschiavoni.com.br
@cristianeschiavoni

 

Fonte: Assessoria | dc33 Comunicação

Mais novidades